CORRELAÇÃO GAMAESPECTROMÉTRICA DE AFLORAMENTOS E POÇOS: ESTUDO DE CASO NA FORMAÇÃO PONTA GROSSA (BACIA DO PARANÁ, BRASIL)

Francisco José Fonseca Ferreira, Ary Gustavo Candido, Sidnei Pires Rostirolla

Resumo


No contexto de modelos análogos, dados gamaespectrométricos de superfície da Formação Ponta Grossa (FPG), Devoniano da Bacia do Paraná, constituída pelos membros Jaguariaíva, Tibagi e São Domingos, permitiram melhor entender a distribuição de seus litotipos e estabelecer correlações com os dados de radiação gama derivados de perfis de poços profundos. As medidas de superfície, espaçadas de 50 cm nos arenitos e 100 cm nos folhelhos, foram adquiridas em quatro seções: Arapoti, Tibagi, Jaguariaíva e Ponta Grossa, com extensões respectivas de 30, 250, 12 e 16 metros. Os resultados mostraram que a tendência de incremento gradativo da fração argila na seção Arapoti (camadas de transição das formações Furnas e Ponta Grossa) foi bem refletida nos perfis de raios gama em superfície e subsuperfície. No perfil Tibagi (Membro Jaguariaíva), os teores de carbono orgânico total (COT) guardaram relação direta com o aumento da radiação gama em superfície e em profundidade. Ainda neste perfil se constatou relações consistentes dos dados gamaespectrométricos de afloramentos e poços com a seção granulométrica de 250 metros de exposição da FPG. Na seção Jaguariaíva foi possível notar com clareza a diminuição das contagens nas camadas arenosas e a queda abrupta dos valores a partir do contato dos arenitos basais do Grupo Itararé. O Membro Tibagi, claramente mais arenoso, explicitou no perfil Ponta Grossa assinatura dos raios gama compatível a um padrão granocrescente ascendente, também verificada nos perfis de poços. O Membro São Domingos, representativo de possante intervalo pelítico da FPG, foi também bem caracterizado através de altas contagens nos dois níveis de investigação. O emprego de gamaespectrometria de superfície, em correspondência à descrição pormenorizada de afloramentos e a dados de poços profundos, apontou para o estabelecimento de modelos análogos da FPG na Bacia do Paraná.

Keywords :gamaespectrometria de superfície; gamaespectrometria de poço; modelos análogos; Formação Ponta Grossa; Bacia do Paraná.

ABSTRACT

In analogue modeling, ground gamma-ray spectrometric data of the Devonian Jaguariaíva, Tibagi, and São Domingos members of the Ponta Grossa Formation (Paraná Basin) allowed for a better understanding of the spatial distribution of lithotypes. Correlations based on gamma-ray values obtained from deep well logging could be improved. Ground values, spaced 50 cm in sandstones and 100 cm in shales, were taken along four sections: Arapoti, Tibagi, Jaguariaíva, and Ponta Grossa. The sections were 30, 250, 12, and 16 meters thickness, respectively. The results show that both ground and deep values reflect the gradual clay enrichment trend noticed along the Arapoti section (transition beds between Furnas and Ponta Grossa formations). Along the Tibagi section (Jaguariaíva Member), total organic carbon values are in direct relation to ground and deep gamma-ray values, and good gamma-ray spectrometric and granulometric correspondence is observed between both deep and ground data along 250 meters of Ponta Grossa Formation outcrops. Along the Jaguariaíva section, clear decrease of intensity is observed in sandy layers, with abruptly lower values at the contacts with basal sandstones of the Itararé Group. Along the Ponta Grossa section, the Tibagi Member, with its notably higher sand-fraction content, shows a gamma-ray signature compatible with the coarsening upward observed in well data. The São Domingos Member, a massive clayey interval of the Ponta Grossa Formation, is characterized by high gamma-ray values in both investigation levels. Ground gamma-ray spectrometry combined with detailed outcropdescriptions and deep source data proved to be useful in the establishment of analogue models for the Ponta Grossa Formation in the Paraná Basin.

Keywords :ground gamma-ray; gamma-ray well logging; analogue models; Ponta Grossa Formation; Paraná Basin.


Palavras-chave


gamaespectrometria de superfície; gamaespectrometria de poço; modelos análogos; Formação Ponta Grossa; Bacia do Paraná

Texto completo:

PDF